O mundo está mudando profundamente e a decoração é parte importante disso. Veja por quê e conheça as principais tendências!

O assunto é recorrente porque a pandemia modificou profundamente – e ao que parece, permanentemente – vários costumes e hábitos. Com isso, muitas tendências foram antecipadas em várias áreas, aceleradas pelas transformações no dia a dia.

Ainda pouco se sabe com certeza sobre como será o mundo pós-Covid-19, mas no novo normal é possível entender por que a decoração e a arquitetura têm papéis fundamentais.

A adoção do home office, o ensino à distância, a ginástica em casa e, amarrando tudo isso e muito mais, a tecnologia intermediando ações que antes eram presenciais.

A adaptação dos espaços, portanto, está no cerne dessas tendências, com a decoração criando um novo olhar sobre as rotinas e os espaços de convivência.

Mais do que nunca, a casa é o refúgio seguro, a bolha de tranquilidade, conforto e funcionalidade para ter cada vez mais qualidade de vida.

Veja como preparar sua casa para essas 6 tendências em decoração

Sustentabilidade, aproveitamento dos espaços, vida saudável, materiais de qualidade. As tendências de decoração estão voltadas para a valorização da vida e o convívio com a natureza.

1 – Menos é mais, com qualidade e conforto

O excesso na decoração não tem vez no novo normal. Tudo o que é demais deve ser descartado: o que não tem utilidade jogado fora e o que ainda funciona ou pode ser aproveitado, doado para quem precisa.

Menos, com qualidade, é mais. Móveis e acessórios escolhidos com mais cuidado, foco no conforto e na durabilidade, design moderno, mas atemporal.

O dia a dia precisa ser mais prático, as casas precisam ter mais espaço, a limpeza mais rápida. O supérfluo deve ser eliminado para dar lugar ao que é importante, útil e ao que agrega valor ao dia a dia.

2 – Consumo consciente

Aqui, mais uma vez, o foco se reverte para os móveis mais duráveis, a recuperação de peças antigas e de família, a decoração com coração, mas sem apego ao que é inútil.

A tendência é um mix de móveis de luxo com mobiliário emocional, com história, que remete ao passado, à origem. Toques vintage em meio à modernidade com sentimento.

As tendências apontam para móveis de personalidade, mas resistentes e que passeiam bem entre ambientes internos e áreas externas.

Devem agradar aos olhos e acariciar a alma, sempre que possível agregando múltiplas funções para aproveitar ainda mais os espaços, como os seat garden (bancos que podem ser usados como mesinhas).

3 – Halls ganham novo papel na casa

 O hall se transforma em mais do que um ambiente apenas de “entrada” e ganha status agregando funções.

Se antes a entrada era opcional e pensada de forma a gerar impacto, priorizando a beleza estética, no mundo pós-pandemia o hall tem um papel especial: o de deixar a rua, na rua.

Com isso, a decoração começa também a reinventar o espaço:

  • Na arquitetura dos novos imóveis no mundo pós-Covid, deve voltar a tendência de lavabos próximos à entrada da casa, onde pode haver uma higienização mais completa de quem chega da rua;
  • Cestos e sapateiras para a organização dos calçados que devem ser deixados na entrada;
  • Mesa, banco, aparador ou mesmo seat garden para a disponibilização de álcool gel;
  • Poltronas, cadeiras e cabideiros para as roupas e bolsas.

Assim, o que hoje é uma necessidade sanitária deve se tornar um hábito comum de higiene no pós-pandemia, a exemplo do ocorre tradicionalmente em países como o Japão.

4 – Home office integrado

 As casas do futuro já deverão pensar na integração desse espaço, uma vez que um número crescente de empresas está adotando a modalidade de forma permanente.

No entanto, as tendências no mercado imobiliário já apontam para um aumento na procura por casas, com área de lazer privativa, em detrimento aos apartamentos.

Nesses imóveis a tendência é que o home office seja uma construção à parte, em pergolados em meio ao jardim (garden office), ou em anexos à construção principal.

Dessa forma há a possibilidade de desassociar o ambiente de trabalho, mantendo o prazer de “voltar para casa” ao fim do expediente.

5 – Reaproveitamento de espaços ociosos

As tendências mostram que as pessoas vão querer aproveitar mais a casa em todas as suas possibilidades, transformando cômodos e espaços que não eram usados em espaços úteis.

Ambientes internos e externos serão repensados, redecorados com móveis dinâmicos, duráveis e flexíveis, em busca da geração de novas memórias, sentimentos e vontades.

6 – Áreas externas ganham ainda mais importância

Valorização das varandas dos apartamentos como novo espaço de convivência e do mobiliário de conforto, renovação com adequação aos novos hábitos das famílias.

As áreas externas ganham ainda mais importância com destaque para as plantas, a proximidade com a natureza e a vida saudável ao ar livre.

As tendências apontam um forte apego à área de lazer privativa, prezando pelo conforto e bem-estar acima da decoração.

É a busca do hygge, o estilo dinamarquês que busca a felicidade nas pequenas coisas com base na igualdade e na convivência com quem se quer bem.

De uma forma geral, portanto, as tendências em decoração apontam para a valorização de todas as chances de reconexão como os valores humanos através de uma transformação positiva a partir do nosso próprio espaço.

E você, já está planejando a renovação da sua casa para o novo normal? Venha conhecer os móveis da Villa Rattan pelo Instagram e descubra como os móveis de fibra sintética podem ter papel importante nessa transformação!

Deixe uma resposta