Mudanças profundas na sociedade causadas pela pandemia estão começando a guiar o design do futuro. Conheça quais são e como aplicar em casa!

A pandemia trouxe uma enxurrada de mudanças, algumas desaparecerão após o coronavírus, outras ficarão por muito tempo. No entanto, definitivamente alguns pilares foram redefinidos, entre eles o do design do futuro.

Alinhados com as transformações sociais que estamos vivendo, esses pilares refletem um novo estilo de vida, revendo prioridades, consolidando tendências e ressignificando a própria decoração.

Saiba mais sobre o design do futuro e os 8 pilares que devem sustentar a decoração de agora em diante e como os móveis de fibra sintética se encaixam nesse cenário.

1 – Sustentabilidade cada vez mais presente no design do futuro

O design do futuro será pautado, principalmente, pela sustentabilidade. Muito além da tecnologia e das construções inteligentes, os especialistas prevêem itens duráveis e que atravessem os anos se mantendo atuais, evitando o desperdício da troca constante.

A produção deve ser pautada em materiais resistentes, como a fibra sintética e o alumínio, com móveis para durar muitos anos.

2 – Conexão com a natureza e convivência ao ar livre

Os tempos de quarentena obrigatória e o isolamento social reforçaram a necessidade de conexão com a natureza a partir de pequenas intervenções na rotina diária com a valorização dos espaços abertos.

De acordo com os especialistas, os shopping centers a céu aberto, por exemplo, tão comuns nos EUA, devem ser um padrão a ser seguido pelo design do futuro em todo o mundo.

A ideia é melhorar cada vez mais a experiência dos clientes em áreas externas, gerando bem-estar desconectado às vendas diretas. 

Esta entrega de valor deve gerar conforto e incentivar a convivência ao ar livre através de serviços e mobiliários elegantes, confortáveis e sofisticados, mas que também sejam resistentes às intempéries, como os móveis de fibra sintética.

3 – Ambientes integrados favorecem a redução do consumo de energia

Residências conscientes e integradas colaboram para a redução do consumo de energia. O design do futuro prevê soluções que minimizem os impactos ambientais, com a instalação de placas fotovoltaicas, reaproveitamento da água da chuva e construções com ambientes mais integrados a jardins e áreas externas.

Essa integração favorece a maior entrada de luz natural, assim como a formação de ventilação cruzada, evitando o excesso do consumo de energia com luzes artificiais, ventiladores e ar condicionados.

Já a decoração deve criar uma harmonia natural por toda a casa, com móveis que possam ser recambiados entre os ambientes internos e externos, gerando novas possibilidades de decoração sem desperdício.

4 – Nostalgia permanece em alta no design do futuro

O passado sempre foi uma fonte inesgotável de inspiração e continuará a ser no design do futuro. Móveis com linhas clássicas acrescidas de toques contemporâneos, releituras de obras premiadas, decoração retrô, ícones do design revisitados através da tecnologia.

Bons exemplos são a releitura da poltrona Egg no modelo Athenas, as linhas modernistas da Ilhéus ou os icônicos pés palito, mais um diferencial dos móveis de fibra sintética da Villa Rattan.

5 – Minimalismo consagrado

Evitar excessos e exageros, unir estética e funcionalidade, trocar a quantidade pela qualidade. A ideia do minimalismo é garantir uma estética clean, favorecendo também a integração de espaços de qualquer tamanho.

É o conforto através dos detalhes, das linhas que favorecem a clareza visual ao mesmo tempo em que entrega conforto, sofisticação e durabilidade na decoração.

6 – Valorização dos trabalhos artesanais

Os trabalhos artesanais são uma tendência consolidada para o design do futuro. É a valorização da mão de obra única, que torna cada peça especial e exclusiva, com um cuidado singular na produção de cada unidade.

Da mesma forma, móveis com possibilidade de personalização possibilitam a criação de ambientes únicos, com combinações escolhidas pelo próprio cliente, ao contrário da massificação industrial.

7 – Texturas, formas e cores que remetem ao mundo lá fora

A decoração de interiores deve trazer para dentro de casa o “mundo lá fora”: cores, texturas, móveis e acabamentos tradicionalmente utilizados na área externa vão para os ambientes internos.

Tons terrosos, ladrilhos hidráulicos, cimento queimado, azulejos terracota, móveis e objetos com formas orgânicas estão em alta no design do futuro, abraçando as referências da natureza também dentro de casa.

8 – Modernidade com aconchego

Mais do que nunca a tecnologia é parte integrante de nossas vidas. Através dela entramos em contato com outras pessoas, trabalhamos home office, ficamos juntos mesmo à distância.

Graças a ela, também, há a produção de móveis de qualidade superior, produzidos em fibra sintética altamente testadas e com grande beleza, conforto e durabilidade, sem necessidade de desmatamento.

A criação de ambientes modernos, mas aconchegantes, é a grande tendência do design do futuro. A decoração deve priorizar o conforto, incentivando a vida ao ar livre aproveitando cada cantinho da área externa para criar um novo ambiente e assim ter espaços diferenciados e funcionais espalhados pela casa.

Estes pilares do design do futuro procuram garantir mais qualidade de vida, reduzindo o impacto ambiental e gerando mais conforto e segurança, com muito estilo.

Gostou das dicas de hoje? Aproveite para saber mais descobrindo como a decoração influencia no comportamento dos moradores!

Deixe uma resposta